Quem inventou os finais felizes?

domingo, 28 de novembro de 2010 // Postado por Renoth





vocês já perceberam que quase sempre as estórias tem a mania quase chucra de arumarem um final feliz incrivelmente mela cueca que além de explicar todas as infelicidades ainda dão um motivo pra elas? quem foi que criou essa porcaria?
Quando você acha que pode ser feliz a infelicidade pesa com ainda mais força nos seus ombros, é estranho e injusto, mas é a mais pura e plena verdade. Sim, eu estou beeem mal...
desculpem a falta de responsabilidade para com os meus leitores, eu abandonei você por muito tempo...
bem, não vou falar muito do meu amor platonico aqui, vou dizer apenas que isso está me deixando muito pra baixo. ainda não entendi muito bem porque eu fui gostar dessa pessoa, mas agora já não dá mais pra esquecer, nem pra chegar na cara dura e dizer :"oi... eu te amo... eu sei que você nem desconfiava que... que eu sou só um amigo, mas... eu te amo..." eu simplesmente não conseguiria, começo a duvidar dos meus proprios sentimentos, afinal se o sentimento fosse realmente tão forte eu conseguiria, certo?
Vocês já perceberam que o céu nunca vai embora? ok, definitivamente é um pensamento estranho, mas ele me alegra. Sempre haverá um céu, mesmo que não olhemos pra ele...
mas nem só de más noticias vivo eu (embora o percentual delas sejam bem maiores que os de boas noticias), uma fã/leitora me adicionou no MSN pq gostou do meu blog, fiquei muito feliz, foi tipo, muito inesperado...
Tenho conversado muito com a Mimy, agente se entende bastante... Acho que é porquê a gente é estranho igual XD
e a Saga dos telefonemas parou, liguei pra Mimy (que aproposito tem voz de um homem de mau-humor [brincadeirinha xD]) e consegui os telefones da Vick-chan e do Wesley, mas foi só...
desculpa escrever correndo, mas tenho que desligar, espero conseguir escrever mais amanhã...
e antes que eu me esqueça...
ME APLAUDIRAM DE PÉ!!!!
sim, pra quem achava que eu não valia nada como ator, que essa um lixo de ser humano e que o suicidio era a melhor saida. TOMA ESSA!!! (sim, eu estou falando comigo mesmo, tenho que perder essa mania...)
O nome do espetaculo é "Cenas das Cenas" e vou falar mais dele no proximo post ^^
Obs: avatares feitos com o tutorial do Onigiri ^^
beijos

2 Comentários

Alone parte 6 - Beije-me e esqueça (parte 1)

quinta-feira, 18 de novembro de 2010 // Postado por Renoth





poderia ser esse um dia como outro qualquer, talvez até fosse, mas só porque meu conceito de "normalidade" estava sofrendo constantes e profundas alterações.
Levantei da cama já com saudades do seu calor constante, eu ainda estava cansado, muito cansado. Tentei me animar enquanto vestia o uniforme, mas eu me conhecia bem demais para tentar ficar feliz, sabia que não era algo possível, ainda que eu fosse faltar a escola naquele dia.Algo chamou minha atenção quando eu ia fechar o guarda-roupas, tinha uma pequena caixa de presente amarada com uma grande fita vermelha, analisei o que poderia ser aquilo até encontrar em baixo a pequena inscrição "roupa de batalha". Dentro estava a mesma roupa que eu tinha usado no meu sonho, até a capa estava lá. Talvez isso fosse a maior prova da minha sanidade em muito tempo, ou talvez fosse só mais uma prova de que eu estava ficando louco.
Tirei todos os cadernos e livros da minha mochila, eu não iria precisar deles hoje, coloquei a roupa no lugar deles, seria perigoso se alguém as visse no guarda-roupa...
Desci as escadas e descobri que a casa estava vazia, um pequeno bilhete estava grudado na geladeira, estava escrito algo sobre emergência no trabalho, não estava interessado no resto. Abri a geladeira e a descobri sem nenhum tipo de refeição pronta, portanto comecei a reunir coisas para preparar minha própria comida, nada muito elaborado, eu não iria gostar de qualquer
forma...
comecei a imaginar se era boa ideia invocar um dos dois pra me ajudar a cozinhar, algo me dizia que não seria muito sábio fazer isso em casa, mesmo que ela estivesse vazia. Comi o preparado que tinha um estranho gosto de indiferença, interessante, nem eu me interessava por mim. Levantei da mesa e decidi que não lavaria a louça, sim minha mãe se transformaria em um mostro e me trancaria no quarto por um tempo, mas pelo menos ela teria que olhar no meu rosto para fazer isso...
Coloquei a mochila nas costas e sai, algo me dizia que o dia seria cheio, como um leve sussurro que me alertava para ter cuidado com alguma coisa...
-Alone- eu disse baixinho.
uma pequena névoa se formou na rua e de dentro dela saiu ela, os cabelos sempre loiros sacudiam alegremente enquanto ela dava enormes pulos na minha direção.
- Boa tarde!- gritou ela me abraçando.- Vamos que hoje o dia será cheio.
-Sim...-respondi.
Ela me pegou pelo pulso e praticamente me carregou até o ponto de onibus, em meia hora ela apontou para um onibus onde se lia "181-Lapa", dei sinal para que ele parasse. Assim que entramos o motor acelerou fazendo um barulho auto. Quase todos os acentos estavam vazios, o que me deixava mais a vontade, não sou fã de lugares lotados. Sentamos em um banco que ficava atrás do banco mais alto do onibus e ela me abraçou com força. Não falamos nada, sentíamos apenas o calor de nossos corpos encostados um no outro.
-chegamos- disse ela me puxando pelo pulso e me fazendo dar sinal para o onibus parar.
andamos em silencio enquanto deciamos uma movimentada avenida chama "Doze de outubro", ela segurava fortemente minha mão, como se fosse me perder a qualquer momento. Isso me assustou, por alguma razão eu podia ler as expressões dela melhor que as dele, e de uma coisa eu tinha certeza: ela estava com medo.
-Por aqui- disse ela apontando uma direção que nos tirava da avenida - só mais cinco ruas e estaremos lá.
eu assenti com a cabeça e a deixei me guiar até lugares desertos, só então eu decidi descobrir o que de fato estava acontecendo.
-Por que você está com medo? - perguntei
- Tarde demais - disse ela com um sorriso triunfante - chegamos, é aquela casa.
ela apontou para uma pequena casa , ela era azul em tom claros e tinha um serio aspecto de abandonada.
olhai para tras e para frente, andei até a porta e fiz mensão de bater, mas antes mesmo que eu conseguisse respirar ouvi uma voz vindo de dentro num tom de grito.
-Entre Paladar, você é esperado e bem-vindo!
droga, esse tipo de coisa me assustava, seria mesmo uma boa ideia entrar ali?

1 Comentários

Em algum momento eu ia ter que voltar

segunda-feira, 8 de novembro de 2010 // Postado por Renoth





Esse texto que vem a segui foi escrito na minha casa e em vários dias da semana, desculpa a falta de linearidade, eu desapareci por diversos motivos, esse postagem gigantesca vai falar de vários deles, espero não entedia-los com a minha vida^^
Já notaram que não existe uma única peça clássica literária sem uma pessoa absurdamente linda que acaba por se envolver amorosamente por outra pessoa absurdamente linda? É praticamente uma regra Ò.Ó, mas não vamos nos deter nas minhas crises emocionais, vamos além.
Foram cinco dias em casa, um longo e infeliz feriado prolongado. Eu detesto feriados, deve ser porque sou uma pessoa excluída que só consegue estar entre pessoas durante os momentos de escola e teatro, não tenho vida social (além de ter uma vida amorosa nula). Portanto não, não gostei de passar cinco dias em casa.
Não produzi nada realmente decente nesses dias (fechei o Super Mario World, mas isso não conta, conta?). Escrevi bastante, mas nada que eu quisesse de fato publicar...
Apesar de tudo, as coisas tendem a ter um lado sempre positivo, correto? Olha ai as pilhas, que não me deixam mentir.
Suas conclusões da historia a seguir são suas, por favor, guarde-as para você ou a coloque nos comentários =D
Tudo começou no domingo, acho que o domingo tem algum tipo de energia especial que faz com que eventos bons aconteçam com maior facilidade.
Lembram-se do garoto da postagem “mundos desmoronam”? (posso me arrepender de estar escrevendo isso aqui, pois da ultima vez tive realmente muita dor de cabeça com isso), pois é, voltou de algum modo, imagino quanto tempo mais essa pequena dança de piadinha/verdade vai continuar, ela dói.
Enfim, encontrei (via MSN, sempre) com o Shadow, um amigo incrivelmente palhaço que me deu feliz dia das bruxas. Conversamos por horas, eu quase me esqueci como ele era divertido, a lembrança voltou muito rápido, é claro. Ele é o tipo de pessoa tosca que faz você rir a cada cinco ou seis palavras, que te ofende de um modo que você simplesmente não consegue ficar bravo. O que valeu a ligação que fiz pra ele...
Sim, há uns dias atrás eu fiz uma ligação para Minas Gerais, ouvia voz de um dos meus digníssimos amigos da Web. Só quando eu fiz essa ligação que eu percebi o fato (que deveria ser óbvio a todos os outros habitantes do planeta): Eu posso ligar para vocês e ouvir suas doces vozes, se vocês puderem me mandar o telefone de vocês por email (renoth@hotmail.com) eu vou tentar ligar pra vocês, prometo não passar trotes (a menos que eu esteja muito entediado...).

O Teatro tem consumido a minha vida com um canudinho bicolor dobrável, a peça está pronta, mas a nossa excelentíssima Diretora de teatro Christiane Madeira, também conhecida como Kaya, está limpando e adicionando pequenos pedaços que estão faltando. O processo é doloroso, mas espero que no fim tudo de certo.
E por falar em teatro (e também voltando ao principio que o que é ruim nunca está desacompanhado), agora eu preciso de uma autorização judicial, assinada por um juiz para poder fazer a apresentação da peça em Mauá. Se eu não conseguir essa autorização legal eu e o resto do grupo nem saímos de Osasco, isso é triste, no mínimo.
Hoje é dia de ENEM, e eu não estou nem de longe animado com a prova. Eu sei que eu não sou burro, mas bate uma forte insegurança quando o assunto é uma prova de alternativa que pode determinar seu futuro acadêmico e profissional, não sei se vocês perceberam, mas minha ortografia é pior do que a de uma criança da 6ª serie, isso não é muito agradável pra mim...
Sim, minha vida anda uma loucura, desculpem por desaparecer. Um dia desses eu brinquei com uma amiga minha dizendo: “se a minha vida fosse um livro seria maior que Harry Potter”. Eu dei muita risada por isso.
Ontem eu cometi uma pequena gafe (ou uma serie delas) na escola. Primeiro a garota com cabelo normalmente cumprido passa pela minha frente com cabelo no estilo Chanel, eu pergunto: “cortou o cabelo?” e ela responde: “não, tirei para lavar”. Sim ela como a maioria da minha sala é um pouco grossa (em especial comigo, o garoto estranho que leva a sala para as trevas).
Tive ontem (além de uma prova de matemática com nota de dar inveja [ou não...]) uma apresentação de TCC, na verdade não era bem um TCC, mas valia uma grande parcela da nota do trimestre. Tudo correu relativamente bem até o finalzinho do trabalho, quando, tomado pelo nervosismo eu disse: “...então os navios que chegam antes do prazo no porto são obrigados a esperar no fundo do mar!”, ao perceber o que eu tinha dito, eu me corrigi automaticamente: “não literalmente no fundo do mar pois eles não são submarinos, eles ficam simplesmente longe da costa marítima da cidade...” é claro que era tarde demais para consertar uma coisa desse nível, todos riram e eu fiquei vermelho...
Segundo dia do Enem. É engraçado, mas me garanti com questões de matemática, o português só atrapalhou. Rasurei a redação algumas vezes, o que é claro, vai me fazer perder uma quantidade considerável de nota, pelo menos não teve que pedir a caneta da examinadora emprestada (de novo).
Na minha sala só tinha Renan, é claro que tinha uns Reinaldos e umas Reginas perdidos por lá, mas mais da metade da sala era minha chara, engraçado, eu achava que era um nome incomum. De qualquer forma descobri que não é o meu nome que me faz ser ridículo, afinal tinha vários Renans bonitinhos, o que nos leva a conclusão: Minha personalidade é o que faz de mim uma pessoa ridícula, não meu nome e signo. Droga, não posso nem culpar os astros pelos meus problemas ¬¬
Sakura: eu posso, a culpa é da Angelina Jolie u_ú
Renoth: não é esse tipo de astro e não mete a Jolie no meio Ò.Ó
Começa nessa segunda-feira me curso da Saga, estou muito animado, me desejem sorte.
tentei ir pra Saga no dia de Hoje (segunda) e adivinhem? o curso mudou de dia por causa da serie de feriados que assolaram os últimos meses, eu fui até a Lapa (quatro estações de trem e um ónibus) para descobrir que nada de curso até o fim do mês Y-Y.
desculpem os avatares, não sou muito bom em fazê-los...
quanto a Fic (se é que alguém se lembra dela, tentarei posta-lá o quanto antes ^^

5 Comentários

Feliz dia das Bruxas~bem vindos a meus pesadelos~

segunda-feira, 1 de novembro de 2010 // Postado por Renoth





Sim, que morcegos me ataquem e roubem todo meu sangue se hoje não é nosso dia.
Vampiros, lobisomens de tanquinho definido e outros seres das trevas de crepúsculo tem bons motivos para comemorar, eles conseguiram fazer sucesso por mais um ano (ou não...)
temos um seguidor a menos e meus creditos na Lan house estão no fim...
para comemorar (não esse fato, mas sim o dias das bruxas e meu reencontro com meu onichan), vou lhes contar pequenos sonhos, que também podem ser facilmente chamados de pesadelos, aproveitem e não gritem...
bem esse primeiro sonho tem uma data mais antiga e não é ruim, mas desde então sempre vejo a mesma cigana nos meus sonhos.
No sonho existia uma pequena e abafada tenda, mas nada nela chamava atenção para si como a cigana que estava sentada a minha frente, embaralhando lentamente cartas de um tarot com rastro energético muito forte.
-Sente-se - disse ela apontando para uma pequena almofada em sua frente.
existia um longo pano cheio de moedas cobrindo seus olhos, só via os longos cabelos negros escorrendo por seu ombro, não me lembro mais de suas roupas, mas tenho certeza que era cheio de detalhes vermelhos...
-o que vo...- comecei a falar, mas ela me interrompeu com o levantar de um único dedo.
-na minha tenda quem fala sou eu- disse ela com uma forte musicalidade - apenas concorde ou discorde de acordo com a sua vontade, você entendeu esse detalhe?
assenti positivamente e ela acendeu um incenso, parecia mirra, era bom.
-tenho um recado para você - disse ela olhando para mim, eu não sabia como, mas sabia que atravez daquele pano de moedas ela via o fundo dos meus olhos. - ele está chegando.
-Ele quem? - perguntei antes mesmo que ela conseguisse me repreender, mas ela não pareceu se irritar dessa vez.
- Aquele que vai destruir todos os seus sonhos...- disse ela
a verdade absoluta em suas palavras me assustou, isso não impressionou ela, parecia ser uma pessoa acostumada a dar noticias chocantes porém reais. Minha boca abriu mas se fechou com o levantar de dedos da cigana, ela não me deixaria falar mais nada.
-Mas não hoje - disse ela com um tom de amor na voz - hoje você merece um sonho bom, os pesadelos poderão vir amanhã, hoje você vai sonhar como nunca sonhou...
ela me estendeu uma caixa de biscoito, todos eram coloridos, tinham formas de borboleta. Por que isso me lembrava loveless?
-coma um e tenha um doce sonho - sua voz soava convidativa, seria isso uma armadilha?- que seja bom e verdadeiro como você.
peguei e comi uma pequena borboleta azul e roxa que se destacou para mim entre as restantes.
acordei e voltei a dormir, tudo tinha mudado, estava na frente de um pequeno video game, escrito no topo: "você vai ser shemale ou normal?". Esse video game me conhecia?
apertei em shemale, na seguencia aparecia um pequeno jogo de luta, derotei todos os adversarios, eu era realmente forte.
mas existia um que eu não podia atacar, ele entrou na tela com um leve farfalhar de asas.Era ele? poderia mesmo ser ele meu proximo adversario?
por falta de nome vou chama-lo de amor da minha vida (?), ele levantou uma espada, correu em minha direção, levantou a espada. Eu me encolhi, ele ia me atacar, me matar, por que ele?
ele me abraçou e matou um monstro a minhas costas, eu não tinha visto ele entrando... Os labios dele se aproximaram dos meus, eu corei e achei o fato um tanto quanto infantil...
"Game Over"
me vi segurando o controle e deramando lagrimas,eu não senti o beijo...
os credito subiam e eu não conseguia acreditar, foi tão perto...
entre as letras que subiam li "eu te amo", otimo, o sonho estava fazeno mais piadas comigo.
acordei.
Queria escrever mais, mas meu anjo esta converçando comigo (pela primeira vez em algum tempo) então depois posto mais^^

1 Comentários

Em algum lugar...
Contos e pedaços aleatórios da minha vida. Quase um diário, quase um poema, quase um livro. Se descobrir o que é, favor contactar contando.
Sakura’s warning: não mexam na groselha na geladeira. Grata.

Quem?

Eu? Bem, não há muito a dizer. Cursando o segundo semestre da faculdade de jogos digitais na fatec, e o sexto ou sétimo modulo do curso de computação gráfica da Saga. Um futuro profissional da área de jogos, ou de qualquer outra área que venha a me aceitar. Um pequeno monstro com um grande fraco pelo Konta.

como me achar?

Já tentou me procurar?
Nyah!
Twitter
DA
Tumblr
msn e email pra contato: renoth@hotmail.com

Button




Seguidores


Arquivos

Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Novembro 2010
Dezembro 2010
Janeiro 2011
Fevereiro 2011
Março 2011
Abril 2011
Maio 2011
Junho 2011
Julho 2011
Agosto 2011
Setembro 2011
Outubro 2011
Novembro 2011
Janeiro 2012
Fevereiro 2012
Março 2012
Abril 2012
Agosto 2012
Outubro 2012
Novembro 2012
Dezembro 2012
Janeiro 2013
Abril 2013
Junho 2014


C-box


Créditos