As cronicas do Renoth- a foto, o urso e a viajem

terça-feira, 28 de dezembro de 2010 // Postado por Renoth





(Acima foto do Cenas das Cenas)
Sim, assisti as cronicas de Narnia a pouco tempo (o filme está otimo) e acho que por isso resolvi brincar um pouco com o titulo dessa postagem... não me crucifiquem por isso, por favor...
estou numa profunda febre Rita Lee, então não estranhem se eu repentinamente citar um trecho de uma de suas musicas. Acho que estou mudando de assunto...
bem, vamos ao que interessa (ou ao que não interessa, anda dando tudo no mesmo de qualquer forma) : trataremos do primeiro tema/cronicamalfeita : a foto.
Sim, quem me segue no twitter (@renoth2) já deve ter lido algo (ou não). bem, mas para falarmos disso temos que começar do começo e não, isso não é ser repetitivo, existem estórias e contos que começam pela metade, e apesar de terem um interessantíssimo sistema esse não será utilizado aqui.. por hora...
Eu participei do concurso travessia da FEI e fiquei entre os 15 primeiros colocados (a faculdade ainda não divulgou nossa colocação exata), e por isso, a escola fez um cartaz mostrando a participação da minha e de varias outras equipes da escola. nesses cartazes tinham somente duas fotos onde eu aparecia. Numa delas eu estava completamente sozinho, trabalhando duro na construção da pobre ponte. Essa foto desapareceu misteriosamente e espero que não esteja em um terreiro de Umbanda nesse momento...
Já a outra eu sei onde está. No meu quarto, guardada entre as minhas coisas. Nela aparecia toda a equipe "Shikara"(eu que escolhi o nome*-*). Meu rosto estava parcialmente riscado e acima da minha cabeça tinha uma seta circular que apontava para a palavra "GAY". Super divertido, ? arranquei a foto quando não tinha ninguém olhando e a coloquei na mochila. isso me provou que eu não sou feito para ficar feliz por muito tempo, afinal isso vem logo depois de um dia maravilhoso.... AFF... eu fico pensando, eu provoquei de alguma forma? tipo, eu ofendi alguém a esse ponto? eu não vou mentir, me senti humilhado, péssimo, derrota, uma aberração. precisava mesmo de tudo isso? aff...
bem, vamos a segunda cronica, que vem antes da primeira, mas que considero menos importante... O Urso, Teddy para ser mais exato.
bem, eu participei de uma peça teatral esse ano, "Cenas das Cenas" e nele usava um pequeno urso de casaco verde que eu apelidei de Teddy. No fim do ano eu queria muito ficar com o Teddy, mas muito mesmo, eu me apeguei ao ursinho que além de muito fofo me ajudou demais no processo criativo para a criação das cenas que ajudei a criar...dá pra ver bem ele ai na foto de cima, não dá?
pois bem, a Chirs falou que eu não podia levar porque era do SESI e bem, em resumo era isso. Eu cheguei a falar que ia sequestrar o Teddy, mas eu realmente tinha medo demais da Chirs pra fazer isso. Sim, minha ex-diretora de teatro ainda me assusta. ela era rígida, mas eu gostava muito de trabalhar com ela, ela tirava o melhor de mim com uma furadeira (e eu nem te conto onde ela enfiava essa furadeira), mas eu era e ainda sou um grande fã da Chirs.
Bem, agora é que a história fica engraçada. Ela é a melhor e mais competente profissional que eu já conheci, mas algumas semanas depois (se não me engano duas) que a gente terminou o curso ela foi demitida. Simples assim, sem mais ou menos. Tá ok, ela é e era muito rígida, mas eu realmente fiquei pasmo com a demissão dela depois de cinco anos de trabalho.
E é agora quem a má boa noticia ou a boa noticia má, foi justamente por ela ter sido demitida que eu ganhei o Teddy. ele está aqui comigo, olhando para mim de dentro de uma camiseta rosa que coloquei nele para zuar com a minha prima. Ele só está ali por um acaso ou o meu desejo profundo de o colocar ali é o catalisador que fez com que a minha querida ex-professora/diretora fosse demitida? chego a me sentir um pouco mal quando eu penso nisso. eu de fato queria tanto assim o ursinho?
Vamos ignorar as minhas crises, poderiamos virar a noite falando da menor delas então não chorem por quem não tem cura, ok?
isso ai, queridos fãs de sagas cinematograficas ou literarias, chegamos a cronica final deste conto : a viajem.
Eu fui a liberdade semana passada, foi algo realmente divertido... ou quase...
Eu fui sozinho, claro. Não não tenho mais amigos fora da matrix, isso me deprime um pouco...
Você já percebeu que quando está sozinho você tenta não reparar em nada? eu acabei por perceber isso acidentalmente. O motivo é beeem simples: Se você repara em algo realmente diferente você acaba por querer comentar isso com alguém e ai percebe que não tem ninguém... que divertido...
bem, no fim do caminho do trem, na ida, a 200 metros da barra funda aquela porra quebra. Varias pessoas começaram a forçar a porta do trem, ajudei uma senhora a descer e depois antei sobre os trilhos até uma pequena escada que dava na estação. Foi realmente muito divertido pular do trem e tudo mais. foi emocionante... *---*
chegando lá comprei três camisetas: uma do Bleach, uma da Misa de Death note e uma do Inu-Yasha. A vendedora era supeeeeeeeer simpatica, foi super divertdo.
durante todo o passeio usei uma toquinha da Pyong mas não tirei nenhuma foto...
(estreia da minha nova camiseta de Bleach no natal. OMG essa camiseta me deixa magro)
[memes//]
bem, a Kyori e a Vick-chan me mandaram memes, os dois incluíam pedidos de natal e perguntas natalinas, então vou resumir os dois nessa carta, pequena mas sincera ao Papai Noel:
Olá, você provavelmente não se lembra de mim, eu sou aquela criança que cresceu, mas que sempre acreditou em você. Achava que você Dominava o Kage Bushin no jutso e era por isso que conseguia estar em todos os shopings ao mesmo tempo. Eu sempre te pedi coisas absurdas como uma pai dedicado que estivesse presente na minha vida ou um brinquedo muito muito caro que minha mãe não podia comprar, se não me engano teve um natal em que te pedi uma estrela. Que ela brilhasse e iluminasse minha vida. Você nunca me deu nada disso então de uns anos pra ca desisti de te pedir as coisas.
Eu sei que o natal já passou a alguns dias, e que nessa hora o senhor deve estar curtindo um pouco o descanso em frente a lareira, já muito cansado de levar alegria a crianças que você pode visitar. Sei que não tenho o direito de te pedir nada, pois já não sou mais criança e não tenho mais a inocência necessária para que minha carta chegue até as suas mãos. Sei de tudo isso, mas minha alma ainda é de uma criança teimosa que não se deixa abalar e por isso vou novamente lhe fazer um pedido. Só um.
É rápido, não dá trabalho nenhum, eu queria alguém que ficasse ao meu lado nesse ano novo que vai começar, mesmo que essa pessoa vá embora no ano seguinte. Eu quero alguém que ria comigo, não ligue pros meus enormes defeitos e que consiga ver minha pequenas e singelas qualidades. É pedir demais senhor Noel?
Estou tão cansado de ouvir das pessoas que você não existe, me prove esse ano que todas elas estão erradas. me dê esse pequeno presente, por que ainda que seja pequeno será uma das maiores coisas da minha vida.
então é isso senhor Noel, estou te esperando acordado, todas as noites e o senhor que trate de não se atrasar.
muitos beijos e muito obrigado
Renoth-kun (ou Renan Neves Bassan)

0 Comentários

musica de natal

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010 // Postado por Renoth





bem, eu escrevi isso a cerca de 20 minutos, retratando o que eu acho do natal...
ela é cantada de um jeito beem calmo...
feliz natal a todos...


Pois é, você espera na sacada
e agora... não era nada...
olha de rosto em rosto
acreditando bobamente que alguém vai aparecer
pois é, ninguém veio aqui pra te ver.
então acorda, você ainda está dormindo?

tem tantos sorrisos aqui, mas o dele não está
e nem vai chegar
então para de se negar, você está sozinho hoje meu bem

sim, espera na sacada,
mas ele não chega hoje não,
acorda ai seu bobo, sai da solidão

por mais que você queira chorar
levante o seu rosto, me deixa te alegrar
vamos fingir felicidade, vamos cantar
tente ver se uma ressaca pode te curar

amanha pode ser que ele te ligue pra se desculpar
não ligue pra ele hoje, você não vai gostar
pois com uma voz bêbada pode te xingar,
e você vai se denunciar, chorar e gritar...
e ele vai te entender, você gosta dele, não é?

tem tantos sorrisos lá fora,
tem tantos cantos lindos agora...

pois é, você não acredita no natal,
mas eu não acredito também,
vem pro meu lado,
se anime meu bem...

não, isso não muda nada,
ainda tem muita gente que vai esperar na sacada,
mas não se jogue hoje meu amor,
deixe-me ao menos lhe entregar essa flor...

e então, com os lábios tremendo vou tentar te dizer
pois é honey eu amo você...
dai vou te deixar, pra você entender
mas antes de sair, me deixa te dizer...
Marry Chirstimas, feliz natal

mary chirstimas, feliz natal


na verdade eu fiz mais de uma, mas como essa era a menos depressiva vamos deixar só ela por hoje, ok?

beijos e feliz natal!

3 Comentários

Texto quase pronto para ser remontado...

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010 // Postado por Renoth





Bem o que vem a seguir é um "ctrl c + ctrl v", eu escrevi isso a algumas madrugadas...
depois eu vou escrever o que aconteceu comigo hoje, estou meio... sem tempo...
Eu passei a semana inteira adiando isso, e agora eu estou finalmente na frente do computador escrevendo o que acho que tenho que escrever, isso é tipo, super estranho. Eu não sei o que escrever...
Estive pensando muito nesses dias, e cheguei a varias conclusões. 1ª eu não vivo do dinheiro de ninguém, logo não devo satisfações a ninguém (com a clara e lógica exceção da minha mãe). Isso me leva a segunda conclusão: ora, mas se eu na devo satisfações a ninguém qual é o medo? Por que se suprimir tanto? Ficar trancado eternamente dentro de um escuro armário de sombras? Pra quê?
Você está decepcionado? Você se sente usada? Foda-se! Eu realmente perdi a paciência que eu tinha para lidar com esses assuntos... Vou contar a quem eu quiser e quando eu quiser. Se sente excluído por que está fora da lista? Senta e chora. Eu não posso fazer nada a respeito, mas você pode, mostre que eu posso confiar em você e eu o farei sem pensar duas vezes.
Algumas pessoas (apesar de eu achar que é somente uma em especial) tem me mostrado que não fazem a menor ideia do que de fato é amor. Vou te contar um segredo: Amor verdadeiro é realmente muito difícil de achar, então não pense que você vai achar uma por mês. Embora eu acredite que uma por mês é uma estatística incorreta pra você, eu seria mais fiel se falasse que são três por semana. Você realmente ama todas elas? Então para de falar que ama, porra!
Mas mudemos de assunto que ainda tem muita coisa pela frente. Eu sou atualmente a prova viva de que alegria de pobre realmente dura pouco. Por quê? Você mostrar:
Eu estava jogando o joguinho de unicórnio do mal que era o desafio da Sii do Onigiri. Minha meta era conseguir em três vidas 200 000 pontos.
Na primeira vida consegui a impressionante quantia de 158 000 pontos, meu recorde pessoal para pontos máximos com uma só vida.
É claro que eu fiquei super feliz e saltitante, tão, mas tão feliz e saltitante que pulei, e morri. EM UM PONTO ONDE ERA SIMPLESMENTE IMPOSSIVEL DE MORRER, ENTRE A PRIMEIRA E A SEGUNDA PLATAFORMA!!!. Só consegui 200 pontos Y-Y. (não deixou de ser um tipo estranho de recorde, uma vez que nunca tinha morrido com menos de 500 pontos).
Na terceira vida eu tentei, lutei e... morri. Só consegui 40 000 pontos, o que me deixou muito fulo da vida! Ò.Ó Com mais 2000 pontos e uns quebrados eu conseguiria, mas alegria de pobre dura pouco, o que eu posso fazer?
Na sequência desisti do jogo e fui arrumar o que fazer da vida...
A conta que abri no Nyah! Tem me trazido muita alegria, só tenho três coisas postadas lá, mas só recebi comentários positivos sobre elas, isso me deixa muito feliz =D
Bem, no próximo post vou continuar a estória do Alone, coitado, faz tempo que eu não escrevo sobre ele XD...
~[Conto solto pro Nyah!: fabula perdida de numero 1: o garoto do armário]~
Ele ainda era tão criança, mas tão criança quando isso tudo havia começado que ele não conseguia mais ver o mundo de outro jeito, só tinha dez anos no começo de tudo... Nenhuma cor havia a sua frente e nenhum tipo de colorido se via no caminha que ele já havia trilhado.
- Onde estou? – perguntava o garoto de tempos em tempos – como eu saio daqui?
A reposta nunca vinha, mas o garoto nunca parava de perguntar, via casacos, sapatos, saias, calças, vestidos e meias, tendo na boca sempre a mesma pergunta:
- Onde estou? Como eu saio daqui?
Ele nem mais lembrava que lugar era aquele, mas também não se lembrava do lado de fora. E assim ia vivendo, nem do lado de dentro, nem do lado de fora.
Um dia sentou desesperado e começou a chorar, seu choro era tão alto que podia ser ouvido por todos que passavam do lado de fora. Como ele tinha sido trancado naquele lugar?
Repentinamente, como que num surto alucinado se lembrou. Ele estava chorando muito naquele dia, mas isso não era novidade, ele sempre chorava muito.
-haha! – disse um garoto da mesma altura que ele – só sabe chorar, não vai se defender não bichona?
-por que você me chama assim? – perguntou o garoto que por um instante deixou as lagrimas secarem.
As pessoas em volta do garoto perceberam rapidamente que as lagrimas haviam secado, e esse era um sinal de resistência, de força. Ele não podia ser forte! Ele não devia ser forte! Ele era... Estranho... Anormal... Uma aberração... Ele não podia resistir...
Foi daí que veio nos mais fortes a ideia (que era genial, diga-se de passagem) de trancá-lo. Mas aonde esse garoto poderia ser trancado?
Começaram os cochichos decisivos. O garoto os olhava, sempre de longe, sempre com medo, sem saber que seu destino estava sendo definido naquele exato momento por pessoas que nada tinham a ver com sua vida, por pessoas que lhe odiavam, por pessoas que mesmo ainda muito pequenas já eram essencialmente más. Não que isso fosse culpa delas, fazia parte da natureza delas e (quer se queira ou não) essa natureza acaba sempre
Sendo seguida pelo individuo, incapaz de modificá-la.
Por alguns momentos o garoto brincou a céu aberto, por algum motivo evitava os meninos, preferia a companhia das meninas e suas bonecas. Ele nunca havia gostado de bola, o que o tornava ainda mais distante, ainda mais estranho, ainda mais anormal.
Ele chegou em casa e penteou pela ultima vez o longo cabelo, ele ainda não sabia, mas nunca mais poderia ser do jeito que ele gostava de ser, isso não seria mais permitido.
Naquela noite todos os pensamentos se misturaram numa massa, seria usado o velho clichê para trancá-lo.
Quando ele acordou no dia seguinte já estava preso. O mundo não tinha mais cores, não havia mais garotas com bonecas ou mesmo garotos com bolas, já não havia mais nada, só vestidos, sapatos, calças, saias e meias, todas trancadas, junto com ele. Aquilo era um armário, e foi só lembrando-se disso que ele se deu conta. Ele estava trancado. Quanto tempo já havia passado? Cinco? Dez anos? Talvez um numero entre os dois... Possivelmente oito... Possivelmente nove...
Era tanto tempo...
Passou a mão nos curtos cabelos, era tarde demais para deixá-los crescer novamente? Provavelmente...
Foi ai, e somente ai que a porta foi aberta. Não, não era para ele sair, mas para aprisionar outro lá dentro. Esse outro foi jogado lá, enquanto chorava. Suas lagrimas escoriam de modo que lembravam as lagrimas do próprio garoto. Ele ia gritar, mas a porta foi trancada novamente. Os dois estavam sozinhos.
Era a primeira vez que ele olhava para outro garoto depois de tanto tempo, ele tinha exatamente a sua idade, fosse ela qual fosse...
-Não chora! – Disse o garoto ao outro – Você vai se deixar abalar por eles? Eles não merecem isso!
O outro não estava acostumado a palavras bondosas, mas reagiu da melhor forma que pode: Se atirou nos braços do garoto e o abraçou.
Eles trocaram caricias por algum tempo, estavam esperando há muito tempo pra se conhecer. O tempo é muito malvado com quem não consegue esperar, e eles definitivamente não sabiam.
Depois de um tempo juntos lá dentro eles começaram a chutar a porta com força, e cada vez mais força e cada vez mais força.
Eles enfim conseguiram sair de lá. Juntos. Eles jamais teriam conseguido sozinhos, e por isso, mas não só por isso viveram o tempo que tinham de liberdade juntos, sempre o mais longe do armário possível.
Até mesmo a sociedade teve que engolir o casal que não mais se poderia separar...
___________________________________________
obs: eu achei a estoria muito fofinha *-* é raro eu escrever algo assim....

1 Comentários

Não morri e ainda ganhei selinhos

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010 // Postado por Renoth





desculpem, é cada vez mais dificil entrar no blog, mas hoje, estou entrando escondido antes de ir pra escola estudar feito um condenado pros exames finais. Sim, estou com matematica e desenho geometrico espacial saindo pela orelha, então serei rapido hoje, mas tentarei postar o resto do capitulo 6 ainda essa semana. Queria tanto um vira-tempo T-T (na verdade eu tenho um vira tempo oficial da serie que veio numa coleção de xadrex do Harry, mas ele não funciona Y-Y [maldita propaganda enganosa u_ú])
o primeiro selinho data de 1547, os dinossauros andavam pela terra e bem... acho que tem alguma coisa errada na minha frase o-õ
Esse eu ganhei da Mimy vamos as regrinhas:
bem, vou indicar para o SEDD, pra Usagi e pra Kyori-chan ^^
perguntas pra responder:
1 - Você já teve um aniversário inesquecivel? Qual?
minha unica festa de fato, quando eu tinha 10 anos, foi do bob esponja *-*
2 - Você gosta de festas surpresa?
como na unica que eu tive não tinha nenhum amigo meu acho que a resposta é não...
3 - Você já planejou uma festa surpresa para alguém? Para quem?
sim, pra uma colega e amiga de teatro, mas não deu certo no final T-T
4 - Algum aniversário seu já foi um desastre?
hum... acho que não, normalmente eu preciso lembrar meus familiares que é meu aniversario, portanto raramente tenho festas...
5 - O que você costuma ganhar de aniversário? Você ganha o que pede?
O que eu ganho? hum... feliz aniversario conta?
pedir eu peço de tudo, desde livros até brinquedos, só não gosto de ganhar roupa '-' (sim, eu sou uma criança grande e anormal)
6 - De quem são os presentes que você mais gosta?
hum... da minha Tia Ban, ela sempre acerta de algum jeito o que eu quero...
e o segundo selo eu ganhei da Kyori-chan(minha mãe da net =D)
Regras:
indique dez pessoas
hum...
Mimy
SEDD
Usagi
Vick-chan
Liz
e quem mais ver isso =D (aposto que não serão mais de 5 pessoasXD)
Regra 2: Falar 10 coisas sobre você
*sou uma pessoa de opostos
*adoro quase todas as fases da lua
*olho pro céu sempre que lembro que ele está acima de mim
*filosofo demais sobre quase tudo
*adoro computador, mas não fasso ideia de como fazer um layout
*odeio a escola, mas gosto muito de ir pra ela
*sou otaku
*sou fã de Crepusculo e detesto quem ataca o livro sem o conhecer (vide Felipe Neto)
*tenho um blog =D (jura?!)
*adoro escrever mas estou realmente atrasado...
beijos e queijos
desculpem a escrita completamente ilegivel e incoreta, espero que me perdõem por isso, afinal "Herrar é humano"...
Os finais felizes existem, mas somente para aqueles que lutam por ele.

4 Comentários

Em algum lugar...
Contos e pedaços aleatórios da minha vida. Quase um diário, quase um poema, quase um livro. Se descobrir o que é, favor contactar contando.
Sakura’s warning: não mexam na groselha na geladeira. Grata.

Quem?

Eu? Bem, não há muito a dizer. Cursando o segundo semestre da faculdade de jogos digitais na fatec, e o sexto ou sétimo modulo do curso de computação gráfica da Saga. Um futuro profissional da área de jogos, ou de qualquer outra área que venha a me aceitar. Um pequeno monstro com um grande fraco pelo Konta.

como me achar?

Já tentou me procurar?
Nyah!
Twitter
DA
Tumblr
msn e email pra contato: renoth@hotmail.com

Button




Seguidores


Arquivos

Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Novembro 2010
Dezembro 2010
Janeiro 2011
Fevereiro 2011
Março 2011
Abril 2011
Maio 2011
Junho 2011
Julho 2011
Agosto 2011
Setembro 2011
Outubro 2011
Novembro 2011
Janeiro 2012
Fevereiro 2012
Março 2012
Abril 2012
Agosto 2012
Outubro 2012
Novembro 2012
Dezembro 2012
Janeiro 2013
Abril 2013
Junho 2014


C-box


Créditos